Vale tudo na hora H?

Para muita gente, a relação íntima entre um casal deve ser levada ao ápice extremo do prazer. Tratando na maioria das vezes o assunto como sendo algo primordial e até mesmo vital para o relacionamento a dois, muitos casais acabam sendo “guiados” pelo velho ditado popular, que insiste em afirmar que “entre quatro paredes vale tudo”.

Embora para muitos a teoria de que quando as pessoas se encontram apaixonadas umas pelas outras e nutrem um desejo demasiado por seus pares, tudo tende a acontecer da forma mais rápida e intensa possível, isso nem sempre pode e deve ser levado ao pé da letra.

Por que nem sempre valerá tudo entre quatro paredes?

Mesmo que a maioria dos apaixonados amem e desejem seus pares a ponto de idealizarem o momento a dois como sendo de ampla e total entrega entre eles, nem sempre isso poderá ser visto com bons olhos por uma das partes.

Fonte: Reprodução

Ainda que um dos envolvidos sonhe em conhecer e explorar milimetricamente partes do corpo de quem ama e tanto deseja, esse nem sempre pode ser o sonho da pessoa “amada”. Parte disso decorre de um fenômeno que podemos intitular de “banalização do amor”.

Fonte: Reprodução

O termo “valer tudo”, acabou se tornando uma espécie de regra que proporciona facilidade, comodismo e abusos entre os envolvidos, devido ao fato de muitas vezes se acharem donos ou pertencerem a seus pares.

Servindo como “maquiagem” para relacionamentos abusivos, o termo deveria ser repensado por quem o utiliza, a cada vez que o mesmo for proferido.

Sinceridade, diálogo e compreensão são as chaves de um relacionamento sadio

O diálogo é e sempre foi uma das principais bases para um bom relacionamento. Entre pessoas que convivem juntas e dividem uma relação de amor e afeto, uma conversa sincera e bem compreendida, pode gerar ótimos frutos e fazer com que o sentimento só cresça.

Fonte: Reprodução

Diferente do que muitos pregam, entre quatro paredes, só vale tudo o que outro também desejar. Imposição de normas e atitudes que condizem com a vontade dos envolvidos pode ser visto como abuso e isso vai contra qualquer regra de conduta e felicidade.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *